Foto: Daniella Dornas

Às viajantes: atenção here, there, everywhere.

Não é corriqueiro que uma mulher saia viajando sozinha pelo Brasil, por vários motivos, porém o mais marcante deles é a violência. É muito bom viajar sozinha e super divertido viajar com as amigas, mas infelizmente ainda estamos expostas à violências e é muito triste constatar isso: a presença de um moço em um grupo de garotas faz diferença. Porém, não pense que essa situação de insegurança ocorre somente no Brasil, há vários locais hostis à presença feminina. Por isso, o Festivalando te dá algumas dicas para quando for se aventurar sozinha, ou com azamigaz por aí. Não precisa deixar de ir àquele lugar dos sonhos só porque ninguém quis ir com você (s), a não ser em caso de guerras e outras situações de muito perigo. O truque básico e essencial é: informação. Procure saber tudo sobre o lugar, quais os pontos perigosos, se é comum a visita de mochileiros, pesquise relatos de pessoas que visitaram o local antes, etc. Para facilitar um pouquinho a vida, meninas, fiquem atentas:

  1. Evite chegar à noite em sua cidade de destino;
  2. Pesquise muito bem a localização do aeroporto/ estação de trem/ metrô antes de chegar. Além disso, informe-se e anote o itinerário entre esses locais e o seu lugar de hospedagem;
  3. Tenha sempre um pouco de moeda local para, em caso de emergência, você pegar um táxi e escapar de uma situação insegura;
  4. Anote em um caderninho onde ficará hospedada: nome, endereço e telefone do local;
  5. Leve mapas: os mapas de papel, o GPS do celular, fotos do mapa do metrô etc.

Durante o percurso também é bom ter atenção. Por exemplo, no caso de viagens noturnas de trens a situação pode ser um pouco embaraçosa porque você não tem pra onde escapar. E aí? O que fazer? Pesquisar antes de ir. Por exemplo, fui fazer uma viagem à Sérvia com duas queridas amigas, Dani e Mairinha, e nos deparamos com um país super interessante, mas os trens não são uma maravilha. Partimos de Budapeste para Belgrado e optamos pelo vagão dormitório composto apenas por cabines com camas, uma vez que a jornada duraria a noite toda. Viajamos bem e chegamos a Belgrado de manhã cedo. Ao longo do passeio fomos ao interior do país também utilizando as ferrovias e não tivemos grandes problemas. Na volta a Budapeste, novamente optamos pelo vagão com camas. Nossa cabine era pequena e possuía três camas que não eram super confortáveis mas razoáveis para algumas horas de sono. Além disso, éramos só nós três e, portanto, tínhamos privacidade. O tal carro dormitório é diferentemente dos demais, pois possui um vigia e fica trancado, ou seja, é seguro né?! Mais ou menos.

Foto: Paula Costa

A pequena – e divertida – cabine do trem. Foto: Maíra Pereira

 

Quando entramos na cabine percebemos que a luz não funcionava. Pedimos ao vigia para nos ajudar com esse problema mas não obtivemos sucesso e tivemos que contar apenas com a pouca luz vinda da janela para nos acomodarmos. A viagem seguiu e quando chegamos na fronteira algum burburinho aconteceu no trem e ficamos sem entender o que tinha ocorrido. Foi quando um rapaz aparece na nossa porta e pergunta “vocês são brasileiras?”. Logo após, o vigia veio para consertar a nossa lâmpada e afirma “vocês são brasileiras, né?!”. Percebemos algumas pessoas nos olhando e aí nos demos conta que a situação não estava muito legal pro nosso lado. Na mesma hora resolvemos trancar a porta da nossa cabine pra evitar saias justas. A viagem seguiu em paz mas confesso que não segui 100% tranquila até o destino final. Não sabia sobre o percurso da viagem, pois não tinha lido nada a respeito mas passada a experiência fica a lição.

Quando forem viajar em trens noturnos, a atenção deve ser maior. Se forem em carros com camas, verifiquem quantas camas existem em cada cabines, se são mistas ou separadas por sexo. Se não estiverem seguras, viajem no vagão comum onde há poltronas, lugar onde geralmente há mais pessoas. Se estiver com suas amigas, talvez seja interessante irem todas em uma única cabine. Mas atenção, isso são dicas apenas baseadas em algumas experiências de viagens noturnas, infelizmente não há regra sobre qual a melhor situação, já enfrentei diversos tipos de situação. Algumas em que a viagem em vagão coletivo foi legal, outras não. Portanto, para evitar a fadiga é válido tomar cuidado, garotas. Infelizmente ainda somos mais vulneráveis que os rapazes, você não deve ignorar isso, mas se cerque de cuidado, informe-se! E aproveite!

Compartilhe este post

No comments

Add yours

Deixe uma resposta