headbangers publico show metal maximus festivalHeadbangers. Pic: salajean Shutterstock

5 motivos para ir ao Maximus Festival BR

Finalmente entramos no mês de Agosto. Então, siginifca que falta pouco tempo para o Maximus Festival acontecer! Marcado para o dia 7 de Setembro, em São Paulo, os promotores do festival prometem e querem que ele seja o Hellfest brasileiro. Apesar de o festival já mostar um line up interessante para a primeira edição e preços razoáveis, ainda tem gente em dúvida sobre ir ao Maximus Festival. Como assim, migues? Um festival gigante deste acontece em seu país e você ignora?

O Maximus chega com toda a pompa, chama a nossa atenção, mas ainda precisa provar para os fãs toda a sua excelência. Parece que falta um pouquinho ainda para que ele seja aquele festival de metal com line up dos sonhos, como são tantos festivais europeus por aí, e como foram o Graspop e Hellfest deste ano, por exemplo. Mas, como já é sabido em uma entrevista dada por quem entende de festival que vai longe, vulgo dono do Wacken Open Air, tem que ir com calma, passo a passo. Afinal, nenhum festival destes nasceu gigantesco como são hoje. Então, é isso que o Maximus está tentando fazer: um line up legal para a primeira edição, artistas expressivos e certeza que vai acontecer também em 2017.

Você que já falou que vai ficar em casa, depois não reclama que não tem festival grande e legal aqui no Brasil, hein?!Para quem ainda está indeciso, a gente dá pelo menos 5 motivos para você sair da inércia e comprar o seu ingresso, já:

 1. É no Brasil, em São Paulo e tem ótima estrutura de festival

Poucos festivais de heavy metal no Brasil são tão bem localizados quanto o Maximus. A
escolha pela Arena Interlagos foi muito feliz, pois é um bom espaço para eventos.Apesar de ser um pouco distante. São Paulo é a maior capital do país, onde não faltam voos e conexões de ônibus para as
pessoas que vêm de outros estados. Também não faltam opções de hospedagem, assim
como não faltam as possibilidades turísticas e passeios culturais para quem decide esticar a estadia por lá. E se quiser fazer só bate-volta de festival, também é mais fácil!

mapa maximus festival

Além disso, a produção do Maximus Festival está caprichando na estrutura. Parece ser um
festival bem completo, com área de alimentação e hidratação, muitos banheiros, recreação,
espaços para o público descansar e mercadinho de compras de produtos musicais. E o mais
importante de tudo: três palcos! Isso é simplesmente uma das coisas que fazem com que a
gente tenha aquela sensação de festival de verdade rolando. Eles também organizaram os
horários das atrações neste palco de forma a evitar os clashes de horários! Muito digno, não?

2. Line Up Maximus com Rammstein+ Halestorm+ Marilyn Manson e mais…

O festival fez boas escolhas para as atrações principais, ou os headliners do festival. Apesar de não se tratar de um festival tão sensacional em termos de line up como é o caso dos festivais gringos nos quais ele se espelha, para a primeira edição já é um feito grande trazer bandas como Rammstein, Halestorm, Marilyn Manson e Bullet For My Valentine. Aliás, preciso emitir minha opinião de fã aqui e dizer que o Rammstein no line up por si só já seria um motivo por excelência para te fazer levantar da cadeira e comprar esse ingresso para o Maximus.

As escolhas do line up são interessantes também no sentido de variedade dos estilos trazidos. Rammstein com metal industrial e um espetáculo de concerto; Halestorm com seu rock ‘n’ roll simples e direto, com uma certa pegada pop, sim, mas com uma vocalista/guitarrista com energia e técnicas admiráveis. Fizeram a festa nos palcos de vários festivais de metal deste ano, incluindo o Sweden Rock, Graspop e Hellfest;

Há também o Marilyn Manson, uma artista de estilo difícil de definir, pegando-se o conjunto da obra, mas que transita entre o industrial, gótico, rock e no fim das contas é rock mesmo, e muita gente ainda prefere chamar de shock rock; Aí tem o Bullet For My Valentine, com seu metalcore que fisgou meio mundo nos últimos tempos e foi um dos grandes headliners dos festivais de metal de 2016;Ainda tem o Shinedown que tocou nos palcos principais de vários festivais europeus esse ano, incluindo o Graspop, e por aí vai…

Ou seja, não tá ruim de banda não. Não está em estado perfeito ainda, mas já vale o ingresso 😉

3. Vai ter pulseira de festival, aleluia!

Maximus, queríamos fazer nossa delcaração de amor ao fato de vocês terem pulseiras! Que máximus, que belo, que coisa linda! Pulseira de festival é tudo, gente! Não só é um dos nossos souvenirs festivaleiros preferidos, como também envolve toda uma funcionalidade e praticidade. É muito bom ter algo para além do ingresso, para se poder guardar de lembrança de festival. É ainda melhor quando há tantas vantagens ligadas ao uso das pulseiras – identificação, liberdade de trânsito na área do festival etc. E agora, o Máximus Festival lindo vai usar a pulseira como instrumento para pagamento das compras em stands dentro do festival, no sistema cashless! Ou seja, sua pulseira poderá ser carregada com grana e com ela você compra tudo dentro do festival.

Maximus, você arrasou, sambou na cara de Rock in Rio, Monsters of Rock, Lolla BR, esse povo todo que amarra pulseirinha de festival para as metaleiragem e rockeiragem brasileiras! =D

pusleira de festival wristbands maximus

Braço cheio de pulseiras e boas lembranças. Os festivais de metal do Brasil precisam aderir!/ Pic: Festivalando

4. Preço acessível

A gente está em tempos de crise, sim, e qualquer 100 dilmas já são complicadas de serem retiradas do nosso bolsinho. Mas, como a gente vive dizendo, é preciso fazer escolhas para ir com frequência aos festivais. Então, às vezes é interessante beber menos, gastar menos com outras futilidades e guardar seus moneyzinhos para os festivais massa que vêm por aí.

Felizmente, o Maximus não é tão caro o quanto a gente achava que seria. A meia entrada é vendida atualmente a R$220 e a inteira a R$440. Ir a um show do Rammstein apenas, em São Paulo, por exemplo, custaria por volta de R$ 300, certamente, uma vez que os shows realizados no Brasil em 2010 tiveram preços entre R$200 e R$300.

Daí, além do Rammstein você poderá ver mais um tanto de bandas massa, conhecer coisas novas ( eu por exemplo nunca vi ao vivo parte deste line up). Ou seja, é um bom negócio.

5. Quer fazer história e ser tão grande como os gringos Hellfest e Wacken

Em entrevista exclusiva para o Festivalando, os organizadores foram bem claros sobre os objetivos com o Maximus Festival no Brasil: querem ser o Hellfest sulamericano. Por trás do Maximus há uma grande produtora, a Move Concerts. Portanto, pode-se acreditar que algo consistente possa ser construído.

E no caso de o festival virar mesmo o nosso Hellfest brasuca, ia ser muito legal você poder dizer para todo mundo daqui a um tempo que compareceu à primeira edição e ajudou o festival a se consolidar, não? Pense nisso =D

Gostou deste post? Temos muito mais pra você!

Receba sempre nossas dicas, histórias e novidades sobre viagens para os melhores festivais de música do mundo.

 

Compartilhe este post

Gracielle Fonseca

Não faço nada na vida sem paixão. Tanto que, pra me formar em Jornalismo, tive que fazer com 2 colegas um TCC sobre metal, o Ruído das Minas: a origem do heavy metal em BH. Também decidi que faria o primeiro documentário sobre as Mulheres no Metal, o Women in Metal, e fiz. Foi por paixão também que larguei um emprego público, para me aventurar pelo mundo dos festivais com a Pri.

2 comments

Add yours

Deixe uma resposta

Close