terceira idade wackenExcursão da terceira idade no Wacken 2014. Photo: Gracielle Fonseca

10 coisas que você não imagina encontrar em festival

Os festivais são mundos completamente diferentes. Quando estamos nas filas para trocar o ingresso pelas pulseirinhas, já sentimos um frio na barriga. Na cabeça, a ideia de que algo de diferente nos espera lá dentro – mas algo diferente sempre dentro do esperado e do normal, digamos. Quando adentramos aqueles portões, nos sentimos transportados de uma realidade muito chata para outra em que a diversão é regra, ou deveria ser. É muita expectativa do que há de novo, mas também expectativa de coisas que já imaginamos que existam e sejam parte do conjunto semântico festivaleiro.

Porém, entre as expectativas do que pode haver e do que poderia ser surpreendente, há sempre um tanto de coisas que se superam e ultrapassam qualquer limite daquilo que imaginamos pertencer a um universo de festival! E foi com esse espanto que eu e a Pri nos deparamos com coisas que consideramos simplesmente muito geniais ou simplesmente aleatórias, mas que realmente nunca esperávamos nos deparar dentro dos mundos festivaleiros – essas coisas viraram o mote para a expressão “WTF o que isso tá fazendo aqui?”!

Alguns festivais são mais diferentões, mais autênticos que os outros e, por isso, acumulam um número absurdo de coisas “WTF o que isso tá fazendo aqui?”. O Roskilde, por exemplo, esse ganha disparado! Já no primeiro dia do evento, a nossa ideia do que é normal e o que é regra ter em festival caiu toda por terra. Era uma coisa surreal para festival em cada esquina!! O Wacken também não ficou para trás! Ganhou em segundo lugar na categoria “WTF o que isso tá fazendo aqui?”. Brutal Assault, Aalborg Metal Festival e Sziget também tiveram suas participações inovadoras e/ ou bizarras!
Então, vamos listar agora as 10 coisas que você não imagina encontrar em festival. E certamente algumas delas vão ser bem bizarras ( e o bizarro é muito legal, em alguns casos, hehehe).

1. Supermercado

Reluzente e junto com enorme moinho de vento, a placa do Fakta, supermercado dinamarquês, é a primeira coisa que avistamos no céu do Roskilde Festival ao entrar nas áreas de camping e ir em direção à escada de acesso aos palcos. Aquilo foi muito surpreende! Como pode ter um supermercado inteiro dentro de um festival, JzzzAAs??!!

fakta no roskilde

2. Academia de musculação

Não bastasse o supermercado, você se direciona à praça principal do Roskilde Festival e, bem perto da escada que dá acesso aos palcos, se depara com uma academia completa de musculação!!!! WTF! Essa foi surpreendente e foi uma ação que deu uma boa limpada nos nossos olhos turvos de poeira… não faltava colírio escandinavo na academia… foi um sacrifício tirar essas fotos, eita laiááááá. E mais adiante também tinha quadra de basquete, vôley, tênis de mesa… coisas que também têm seu grau WTF considerável para um festival.

gym roskilde

3. Biblioteca

Lá vem o Roskilde Festival de novo! Sim, foi lá mesmo, na Dream City que nos deparamos, além de várias parafernálias futurísticas, algumas funcionais e outras não, um espaço reservado para ler! Uma biblioteca cheia de livros, em pleno festival… e olha que tinha um certo público, hein?!

biblioteca roskilde

4. Sauna, campo de nudismo e aula de Yoga

Sim, Roskilde, fechando com chave de ouro com toda sua WTFoquicidade. Na relaxing city, uma das cidades temáticas do festival eles tinham lagos, em volta dos quais você poderia ficar oficialmente nu ( oficialmente, pois em outros lugares do festival isso também era corriqueiro). Ali você poderia nadar nas águas geladas – mesmo no verão- e em seguida fazer uma sauninha, que estava a te esperar no mesmo lugar. Além disso, havia aulas regulares de Yoga, todos os dias. Esse festival é uma coisa mesmo, viu?!

 

sauna yoga roskilde

5. Excursão da terceira idade

E entra a Alemanha com tudo, fazendo 14 gols já de cara na categoria “WTF o que isso tá fazendo aqui”?! Vivi para presenciar, no meu primeiro dia de Wacken, uma excursão da terceira idade, em pleno festival de metal!!! Choreeeyyyyyyy!!!! Achei demais para falar a verdade. Perguntei a uma das velhinhas e ela me disse que eles estavam conhecendo a cidade e o festival em si, que também é considerado uma super “atração turística” local!

terceira idade wacken

6. Vila viking

Aí vem o Wacken e me coloca um bando de gente playing viking, no meio do festival, com direito a assar um porcão com uma fogueira e suporte rudimentares, a se vestir com as peles ( mesmo no calorão do kct). A Vila viking, apesar de ser uma temática que agrada a metaleiragem, não é a coisa mais óbvia para um festival, definitivamente.

Vila Viking Wacken

7. Cantinho do chá

E daí que você tá lá no Brutal Assault, brutalidade na veia, pau quebrando nos palcos,stage diving, loucura, bateção de cabeça e e e, para tudo e vai tomar um chá… a Pri foi, tomou o chá e ficou muito satisfeita. Num tive tempo para o chá, pode ser que eu tente de uma próxima.

chá

Cantinho do Chá. photo: Priscila Brito

8. Cinema

Também não é algo muito comum que exista um cinema em pleno festival! E o Brutal Assault mandou beijinho no ombro duzinimigo quando colocou um cinema para rolar filmes de metal e de terror! Achei uma inciativa muito válida e que poderia ser corriqueira em festivais! Um bom jeito de dar um tempo nas metrancas!

cinema  brutal

Brutal Assault official press

9. Karaokê

Corta para a Dinamarca de novo: quer situação mais inusitada do que ver um show do Hatebreed, bater cabeça, entrar num mosh violento e, de repente, ir cantar “living on a prayer” do Bon Jovi em seguida? Sim, isso era possível e valia prêmios no Karaokê do Aalborg Metal Festival!!!

caraoquê

10. Abadá

Booooommmmm, tinha que ser o Sziget barango, né? Tinha que ser! hahahahaha. Enquanto esperávamos o metrô que leva ao festival, nos deparamos com uma camisetinha cavada e de apelo fluorecente. Estranhamos, pensamos por algum momento estar em uma micareta. Mas não, Brazeeel, não era o Axé! Era o Sziget!!!! No Apogeu de toda a baranguice, o festival se destaca no universo barango e constrangedor com um abadá?!!! Pode isso, produção?? Abadá em festival?? No Sziget tudo pooooooooooode!

abadá sziget

 

E você, o que já viu de mais bizzarro e inesperado em festival? Conta para a gente!! Estamos curiosas para saber!

Compartilhe este post

Gracielle Fonseca

Não faço nada na vida sem paixão. Tanto que, pra me formar em Jornalismo, tive que fazer com 2 colegas um TCC sobre metal, o Ruído das Minas: a origem do heavy metal em BH. Também decidi que faria o primeiro documentário sobre as Mulheres no Metal, o Women in Metal, e fiz. Foi por paixão também que larguei um emprego público, para me aventurar pelo mundo dos festivais com a Pri.

No comments

Add yours

Deixe uma resposta